Eucaristia: comunhão, solidariedade e acolhimento

Neste domingo (07/06), muitos países, como a Itália, celebram a solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, Corpus Christi, como é conhecida no Brasil. E este foi o tema da reflexão feita pelo Papa Francisco antes de rezar a oração do Angelus, no balcão do Palácio Apostólico. 

Aos fiéis e turistas que encheram a Praça São Pedro para ouvir suas palavras, o Pontífice dirigiu antes de tudo, um sorridente ‘Bom Dia’, recebendo em troca um longo aplauso.

O Pão não é apenas alimento físico

O Evangelho do dia narra a instituição da Eucaristia, realizada por Jesus durante a Última Ceia, no cenáculo de Jerusalém. Ali, naquela mesa, Jesus partiu o pão e o dividiu entre os seus discípulos, anunciando que ele era a sua carne para a salvação do mundo; que quem o comesse habitaria Nele. Com este gesto e com estas palavras, Jesus atribui ao pão uma função que não é mais a de simples alimento físico, mas torna a sua Pessoa presente em meio à comunidade dos fiéis. Depois de explicar este conceito, o Papa continuou: 

“Portanto, não basta afirmar que Jesus está presente na Eucaristia, mas é preciso ver nela a presença de uma vida doada, e participar dela. Quando pegamos e comemos aquele Pão, nós nos associamos à vida de Jesus, entramos em comunhão com Ele, nos comprometemos em realizar a comunhão entre nós, a transformar a nossa vida em dom, principalmente aos mais pobres”. 

Comendo o pão, somos todos do mesmo corpo

Segundo o Papa, Corpus Christi evoca esta mensagem solidária e nos faz acolher o convite à conversão e ao serviço, ao amor e ao perdão. Encoraja-nos a imitarmos, com a vida, aquilo que celebramos na liturgia. 

“O Cristo, que nos nutre com as espécies consagradas do pão e do vinho, é o mesmo que nos vem ao encontro todos os dias; Ele está no pobre que estende a mão, está no sofredor que implora ajuda, está no irmão que pede a nossa disponibilidade e aguarda a nossa receptividade, está na criançinha que ainda não sabe nada de Jesus, da salvação... que não tem fé. Está em todo ser humano, inclusive no mais pequenino e indefeso”. 

Sendo assim, prosseguiu, “quem se nutre do Pão de Cristo não pode ficar indiferente diante de quem não tem o pão cotidiano. Este é um problema cada vez mais grave”. 

Mais solidariedade e acolhimento

Terminando, o Papa auspicou que a festividade de Corpus Christi inspire e alimente sempre mais, em cada um de nós, o desejo e o compromisso por uma sociedade acolhedora e solidária. 

“Confiemos este nosso desejo ao coração da Virgem Maria, Mulher eucarística. Que Ela suscite em todos a alegria de participar da Santa Missa, especialmente aos domingos, e a coragem alegre de testemunhar a infinita caridade de Cristo”.

Em seguida, Francisco rezou a oração mariana dominical e concedeu a todos a sua benção apostólica.

 

Com informações da Radio Vaticana