Símbolos e Gestos Simbólicos

Costumamos dizer que a bandeira nacional é símbolo da pátria. Isto quer dizer que quando você vê ou toca a bandeira, logo seu pensamento voa até o país que ela representa, por exemplo o Brasil. Então, através da bandeira do Brasil você passa a considerar tudo o que pertence ao Brasil, sua extensão, as matas, os rios, as riquezas, o povo, enfim tudo o que faz parte do Brasil. E se alguém ofender a bandeira, mexe com seu sentimento patriótico.

Então o símbolo (objeto) nos transporta para outra realidade que está além do símbolo e tem relação com o símbolo. Vamos dar um exemplo, tirado do mundo cristão: o crucifixo. Todo cristão reconhece no crucificado a pessoa de Jesus Cristo, que nos redimiu do pecado e nos salvou. Portanto, aquele objeto de metal, madeira, ou outro material, simboliza nosso Redentor, Jesus Cristo. Por isso tratamos com respeito o crucifixo.

Gestos simbólicos são ações que têm a mesma função do símbolo, isto é, nos transportam para outra dimensão, outra realidade, que porém tem relação com o gesto simbólico. Por exemplo, no início e no fim da missa o padre traça sobre si o sinal-da-cruz, enquanto diz as palavras "Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo". É um gesto simbólico, que nos remete à Santíssima Trindade a quem invocamos nesses momentos.

A seguir vamos explicar brevemente alguns sinais ou símbolos cristãos utilizados com frequencia na liturgia.

 

AΩ: São a primeira e a última letras do alfabeto grego (Alfa e Ômega) São aplicadas a Cristo, princípio e fim de todas as coisas. Em Geral aparecem no círio pascal, mas também nos paramentos litúrgicos, no ambão e no tabernáculo.

 

 

 

 

Este sinal é formado por duas letras do alfabeti grego (X+P) e correspondem ao C e R da lingua portuguesa. Juntando as duas, formavam-se as iniciais da palavra CRISTÓS: Cristo. Com frequência este sinal aparece nos paramentos dos padres, no ambão, na porta do sacrário e na hóstia.

 

 

 

 

IHS: São as iniciais das palavras latinas Iesus Hominum Salvator, que significam: Jesus Salvador dos Homens. Geralmente são empregadas nas portas dos tabernáculos e nas hóstias.

 

 

 

 

Peixe: Símbolo de Cristo. No início do cristianismo, em tempos de perseguição, o peixe era o sinal que os cristãos usavam para representar o Salvador. É que as iniciais da palavra peixe na língua grega - IXTYS - explicavam quem era Jesus: IESÚS CRISTÓS TEÓS YÓS SÓTER: Jesus Cristo, Filho de Deus Salvador.

 

 

 

 

As letras INRI são as iniciais das palavras latinas Iesus Nazarenus Rex Iudaeorum, que significam: Jesus Nazareno Rei do Judeus. O Evangelho de João nos informa que essas palavras estavam escritas em três línguas (hebraico, latim e grego) sobre a cruz de Jesus (João, 19,19).

 

 

 

Triângulo: com três ângulos iguais (equilátero) representa a Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo).

 

 

 

Conclusão

Os símbolos falam por si e têm grande poder de comunicação. Podemos escolher os símbolos para as celebrações, mas não devemos explicá-los, porque, à medida que explicamos, empobrecemos seus significados e encurtamos o seu alcance. Cada pessoa será atingida pelo símbolo conforme sua compreensão, sua história de vida, sua situação no momento atual.

Um símbolo bem aproveitado nas celebrações poderá ser o suficiente para atingir os objetivos desejados pela equipe de liturgia. Por isso, sou do parecer que, numa mesma celebração litúrgica, não se devem acumular símbolos. Símbolos amontoados são símbolos desperdiçados.